Oráculo

Pergunta


Nome: Rudimar Schmitz
Email: r_schmitz@terra.com.br
Data: 27/2/2005 14:45:22
Pergunta: Olá, caro Hindemburg. Jim Diamond, ou melhor, Mega Genius (http://www.mega-genius.com/) é o que afirma ser, isto é, a pessoa com o maior qi do planeta? Se quiser comentar, será uma honra. Senão, um "sim" ou um "não" está de ótimo tamanho. Grato, Rudimar Schmitz.


Oi, Rudimar.

Tudo bem?

Obrigado por sua mensagem. Eu não conhecia esse site. Dei uma olhada e o que posso dizer é o seguinte:

1 – O teto do WAIS-III atual é 155 sd=15 ou 159 sd=16. Existem mais de 50 milhões de pessoas com inteligência suficiente para obter escore perfeito no WAIS e cerca de 700.000 pessoas no mundo com conhecimento e inteligência suficientes para obter escore perfeito. O teto de dificuldade no WAIS é cerca de 135, assim como na maioria dos testes supervisionados, ou seja, cerca de 50% das pessoas com QI 135 conseguem acertar o item mais difícil do WAIS. Para ter uma idéia do quão fáceis são estes itens, basta dar uma olhada no nível II do Sigma Test. O item mais difícil do WAIS é praticamente igual à questão 6 (nível II) do Sigma Test, que usa regra de três composta, ou seja, qualquer pessoa que resolve exercícios triviais de Ensino Médio está suficientemente treinada para acertar qualquer item do WAIS. Obter escore perfeito num teste com este nível, não é tão difícil e numa classe típica de 3o ano do Ensino Médio com 30 a 50 alunos, pelo menos um deve estar capacitado para acertar qualquer item do WAIS (acertar qualquer item não é o mesmo que acertar todos os itens). Num bom colégio com 3.000 alunos, alguns devem estar capacitados para atingir o escore máximo. É centenas de vezes mais fácil (menos raro) ter escore perfeito no WAIS do que ter 95% de acertos na Fuvest.

2 – Pela informação que recebi do nosso amigo Alexandre Prata Maluf, o teto do Cattell é 187 na maioria dos países europeus, mas em alguns países baixou para 174. Por isso suponho que o teto 191, citado no site do Mega Genius, seja baseado em alguma norma antiga. Em todo caso, é provável que o teto real de dificuldade seja algo em torno de 140, portanto os tetos 174 ou 187 ou 191 são fictícios. Além disso, obter escore perfeito no WAIS é muito diferente de obter escore perfeito no Cattell, porque embora os itens do Cattell também sejam fáceis, o tempo é muito curto (100 itens para resolver em 25 minutos, conforme disse o Alex Maluf). A afirmação de que o teto no WAIS corresponde a 191 no Cattell não procede, assim como não procede dizer que ele teria 1600 no SAT. Ele poderia dizer que o teto no WAIS corresponde a cerca de 159 no Cattell, 1508 no SAT e 1550 no GRE.

3 – Ele diz que é membro em “todas as maiores sociedades de alto QI”, mas não especificou quais são estas tais “maiores” sociedades, portanto não dá pra saber em quais ele está associado. O que posso dizer é que ele não está em Sigma VI, nem Sigma V, nem Sigma IV, nem em Platinum, nem em Pars, nem em Giga, nem em Olympiq, nem em Helliq. Como estas são algumas das “maiores”, no sentido de “mais exclusivas”, e ele não está em nenhuma delas, sou levado a crer que ele teve a intenção de dizer “maiores” no sentido de “maior número de associados”, ou seja, aquelas mais fáceis de entrar: Mensa e IHIQS, que são sociedades de base, para pessoas com QI acima de 132, enquanto as outras que citei acima são para QIs acima de 164, 180 e 196. O escore 132 é bem alto (acima de 98% da população mundial), mas não se pode reivindicar, com isso, o escore mais alto do mundo.

4 – Ele não menciona nenhum resultado em qualquer teste importante e de dificuldade aceitável, como o Sigma Test, Sigma Test VI, Sigma Associations Test, Sigma Analogy Test, Hepta Test, Teste de Desempenho Mental, Eureka, G-Test, Archimedes Test, Power Test etc. Mas para medições corretas de QIs acima de 130, estes testes são imprescindíveis, já que os testes de clínica são excessivamente fáceis e medem apenas velocidade para resolver questões elementares, enquanto os testes supracitados medem profundidade de raciocínio, criatividade e outras faculdades cognitivas mais importantes nos níveis mais altos de habilidade.

5 – Ele não menciona nenhuma realização expressiva em Ciência, em Lógica, em Matemática, em Xadrez nem em qualquer campo que exija inteligência em alto nível, nem menciona qualquer prêmio de alguma importância, nem qualquer trabalho inovador. O QI médio dos ganhadores de prêmio Nobel em Ciência é cerca de 155, portanto, mesmo que ele não tenha ganho nenhum prêmio Nobel, seria esperado que pelo menos ele tivesse realizado trabalhos cujo valor intelectual (independente do valor prático, histórico etc.) fosse semelhante ao valor intelectual médio dos trabalhos laureados com o Nobel. Aqui convém lembrar que muitos trabalhos distinguidos com o Nobel têm valor intelectual relativamente baixo, como, por exemplo, a descoberta da radiação de fundo, por Penzias e Wilson, que pode ser descrito como “pura sorte”. Mas, em média, os trabalhos que foram brindados com um Nobel apresentam nível de engenhosidade compatível com os problemas que cerca de metade das pessoas com QI 155 resolvem.

6 – As pessoas sobre as quais vi alguma informação de que alguma vez reivindicaram ter o QI mais alto do mundo foram Justin Chapman (QI 298), Keith Ranieri (QI 242), Marilyn Mach vos Savant (QI 228) e Christopher Michael Langan (QI 195). Com exceção de Langan, os outros foram examinados na infância e os escores foram extrapolados de maneira incorreta. Para Keith Ranieri, o QI deveria ser cerca de 195 e para Marilyn vos Savant deveria ser cerca de 187. Também convém esclarecer que Langan reivindica(va) ter o QI mais alto das Américas, não o mais alto do mundo, e Jim Diamond reivindica ser "o homem de QI perfeito", que embora não seja exatamente o mesmo que ter o QI mais alto do mundo, qualquer pessoa que reivindique ter QI perfeito está, indiretamente, reivindicando mais do que ter o QI mais alto do mundo. No caso de Chapman, surgiram rumores de que a mãe dele havia treinado com o filho vários dias para memorizar as respostas do teste antes de ele ser examinado. Outras pessoas com escores muito altos, nunca chegaram a reivindicar ter o QI mais alto do mundo, como são os casos de Adam Konantovich (QI 268, sd=24), Chris Hirata (QI 225, sd=24), Erika Widsten (QI 220, sd=24), Baran Yönter (203, sd=15), Christopher Phillip Harding (QI 197, sd=16), Rauno Lindstrom (QI 196, sd=variável), Steve Lu (QI 194, sd=16) e Rick Rosner (193, sd=16).

No Mega Test, Langan obteve 174 na primeira tentativa (em apenas 8 horas, segundo informação de nosso amigo Eduardo Corrêa da Costa) e numa segunda tentativa obteve 190. A Marilyn obteve 187 na primeira tentativa e 190 na segunda. No Titan Test, Rick Rosner obteve escore perfeito (cerca de 193) na única tentativa. Os tetos destes testes foram contestados por Kevin Langdon e Bob Seitz, que calcularam, independentemente, que o teto provável deve ser em torno de 170. Em 2003, usando o mesmo método da norma do Sigma Test, também encontrei para o Mega e para o Titan um teto próximo a 170 em raridade ou 195 em potencial.

7 – A disparidade entre um teste primário (como o WAIS ou o Cattell) e um teste de alto nível (como os citados no parágrafo 4) é tão grande que simplesmente não é possível comparar o desempenho de Jim Diamond no WAIS ao desempenho das pessoas que trabalharam em testes difíceis.

Entre as pessoas que fizeram testes adequadamente normatizados, com nível de dificuldade apropriado e com conteúdo apropriado, os desempenhos mais notáveis que conheço são de Petri Widsten e Kristian Heide, ambos acima de 200 no Sigma Test e Sigma Test VI, respectivamente. O Sigma Test VI tem dificuldade adequada para medidas acuradas em altos níveis, aliás, talvez seja o melhor que existe para os níveis mais altos, mas não está suficientemente calibrado (amostra muito pequena) e o escore está sujeito a grande incerteza, mesmo assim, seguramente é um desempenho extraordinário porque as questões resolvidas eram muito duras. Entre as pessoas que não fizeram testes de qualidade aceitável, mas que apresentam indícios de um QI muito alto, posso citar Newton Carneiro Affonso da Costa (criador das Lógicas Paraconsistentes), Laurent Lafforgue (Medalha Fields), Vladimir Voevodsky (Medalha Fields), Murray Gell-Mann (Nobel de Física) e Robert James Fischer (Campeão Mundial de Xadrez).

Na ausência de um teste unificado, ninguém pode reivindicar, com legitimidade, ter o QI mais alto do mundo só por ter obtido bom escore num teste específico, que mede um conjunto muito específico de habilidades, impregnado de elementos culturais etc. Entre as pessoas que fizeram testes de alto nível e pontuaram acima de 190, é possível que estas pessoas estejam entre as 1.000 mais inteligentes do mundo. Entre as pessoas que fizeram testes standard (como o WAIS), não faz sentido reivindicar mais do que o QI mais alto do bairro (dependendo do bairro, nem isso pode ser reivindicado).

Estou com 19 perguntas no Oráculo para responder, mas vou ter que adiar mais um pouco até começar a atualizá-las.

Um abraço.
Melão

 

 
.:: Sigma Society ::.
  Topo
Todos os direitos reservados