Oráculo

 

Essa questão é resultado de duas mensagens trocadas com nosso amigo Alexandre Maluf, sendo que, para facilitar a leitura, o primeiro texto dele está em preto e o segundo está em vermelho. Os meus estão em azul e verde.

Pergunta


-----Mensagem original-----
De: Dote [mailto:alexandremaluf@centershop.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 3 de novembro de 2003 02:45
Para: Sigma Society
Assunto: Re:

Caro Hindemburg,
tudo bem?
1) Qual seria o QI da humanidade, se fosse reduzida a um indivíduo apenas? Quero dizer, qual seria o QI de um indivíduo que fosse ao mesmo tempo um Newton, Mozart, Kasparov, Goethe, Pelé, etc., ou seja, que sozinho pudesse corresponder ao que de melhor pode ser realizado por um ser humano, em todas as áreas ...?
Abs, Alex

 

Grande Alex!!

Beleza!!!

Excelente pergunta! Meu palpite é que você e o Eduardo pensaram nisso enquanto discutiam os pontos em que divergem de mim no método que proponho para normatizar testes. ;-) Se for isso, acho que a contestação é boa, porque realmente o método deve ter limites de validade que o impedem de fazer medidas seguras nesse nível, mas permite fazer estimativas boas e dar uma resposta a essa pergunta, que de outro modo seria impossível (a meu ver)! :-)

Acho que se fosse pra calcular o QI dos 99,9% menos brilhantes somados, ou mesmo dos 99,99% menos brilhantes, que estão vivos, seria cerca de 365. Se fosse de todos os vivos, seria 365,24219878125, para coincidir com o ano tropical de 1900, mas o cálculo está dando 365,21 (planilha anexa, com população mundial consultada em http://www.ibiblio.org/lunarbin/worldpop, às 10:51h de 4/11/2003). Se fosse de toda a história da humanidade, seria entre 390 e 396, dependendo da população considerada (estimativa mais modesta em 60bi, mais ousada em 100bi). Se fosse incluir os 0,01% mais brilhantes, teoricamente a diferença seria pequena e não passaria de 397, mas suspeito que uma afirmação dessas seria bastante duvidosa. Acho que podemos dizer que algo em torno de 400 seria um QI satisfatoriamente correto. Mas não significa que uma pessoa com QI 400 faria tudo que a humanidade fez. A tal pessoa faria coisas que a humanidade nunca sonhou, mas deixaria de fazer muitas outras coisas das quais a humanidade foi capaz. Produziria algumas idéias mais brilhantes que as de Newton e Gauss, mas talvez não tantos trabalhos quanto Euler ou Edison e seguramente não tantos quanto a humanidade inteira. Teria uma produção comparável à da humanidade inteira pesando quantidade e importância conjugados, e para compensar a menor quantidade deveria ter trabalhos muito mais importantes. Qual é sua opinião?

Acho que a hipótese funciona bem para QIs até 170 ou 180 (e funciona muito bem para QIs abaixo de 160). Uma pessoa com 176 acerta no Mega ou Titan tantas questões quanto 900 pessoas somadas com QI=100 ou 10 pessoas com QI=150, que é o esperado com base no meu método para normatizar testes. O "problema" é que acima de 170 a criatividade começa a produzir mais do que os testes podem medir, então não sei os limites de validade da idéia. Mas acho que o QI da humanidade deve ser menor que 450 e maior que 390. Eu diria que algo entre 390 e 410 seria razoável. Talvez eu devesse esperar pra fazer os cálculos amanhã, às 19:00h, assim o QI da humanidade seria igual à relação entre um ano tropical e um dia solar médio. ;o)

Se você permitir, eu gostaria de colocar essa pergunta no Oráculo.

Abração!
Melao



-----Mensagem original-----
De: Dote [mailto:alexandremaluf@centershop.com.br]
Enviada em: terça-feira, 4 de novembro de 2003 12:00
Para: Sigma Society
Assunto: Re:
Olá, Melão, tudo bem?

Grande Alex!!

Beleza!!!

Excelente pergunta! Meu palpite é que você e o Eduardo pensaram nisso enquanto discutiam os pontos em que divergem de mim no método que proponho para normatizar testes. ;-)


Não sei se eu já havia pensado nisso há mais tempo ou ouvido de alguém (minha memória está não boa), mas aparentemente tive essa curiosidade neste domingo à noite, enquanto dirigia na estrada, sob a mais forte neblina que já vi...

Se for isso, acho que a contestação é boa, porque realmente o método deve ter limites de validade que o impedem de fazer medidas seguras nesse nível, mas permite fazer estimativas boas e dar uma resposta a essa pergunta, que de outro modo seria impossível (a meu ver)! :-)

Acho que se fosse pra calcular o QI dos 99,9% menos brilhantes somados, ou mesmo dos 99,99% menos brilhantes, que estão vivos, seria cerca de 365. Se fosse de todos os vivos, seria 365,24219878125, para coincidir com o ano tropical de 1900, mas o cálculo está dando 365,21 (planilha anexa, com população mundial consultada em http://www.ibiblio.org/lunarbin/worldpop, às 10:51h de 4/11/2003). Se fosse de toda a história da humanidade, seria entre 390 e 396, dependendo da população considerada (estimativa mais modesta em 60bi, mais ousada em 100bi). Se fosse incluir os 0,01% mais brilhantes, teoricamente a diferença seria pequena e não passaria de 397, mas suspeito que uma afirmação dessas seria bastante duvidosa.


Minha primeira idéia seria a de que deveríamos fazer algo diferente: desprezar todos aqueles abaixo de um certo valor crítico, abaixo do qual não haveria possibilidade de grandes realizações, e acima disso estabelecer uma relação entre QI e nível de descoberta, tipo uma ponderação análoga à do seu método. ex.: uma humanidade com 1000 indivíduos com QIs entre 50 e 150 poderia ser resumida aos 10 que estariam acima de 137 (sendo esse o valor crítico para o início de realizações relevantes para tal humanidade), podendo-se desprezar os 990 abaixo deste valor. Aí fazer-se-ia uma redução do tipo, para cada QI achar o equivalente acima, até esse equivalente acima ficar em um único indivíduo.

Pensei tb em algo do tipo: existem sete áreas distintas de inteligência: matemática, espacial, verbal, musical, física/manual, interpessoal e intrapessoal. Minha intuição faz buscar a correspondência "raridade de QIh= (1 em 100 bilhões)^7". Quanto seria o QI relativo à essa raridade? É razoável tomar a humanidade apenas pelo melhor representante de cada área? (Eu acho que não, mas creio que um grupo com cerca de 10 melhores de cada área deve representar muito bem quase a totalidade da capacidade humana). O que Newton, Gauss, Leibniz, Euler, Bernoulli, ... juntos não poderiam fazer que outro matemático menor poderia? Muito pouco, eu tenho essa impressão.


Acho que podemos dizer que algo em torno de 400 seria um QI satisfatoriamente correto. Mas não significa que uma pessoa com QI 400 faria tudo que a humanidade fez. A tal pessoa faria coisas que a humanidade nunca sonhou, mas deixaria de fazer muitas outras coisas que a humanidade fez. Produziria algumas idéias mais brilhantes que as de Newton e Gauss, mas talvez não tantos trabalhos quanto Euler ou Edison e seguramente não tantos quanto a humanidade inteira. Teria uma produção comparável à da humanidade inteira pesando quantidade e importância conjugados, e para compensar a menor quantidade deveria ter trabalhos muito mais importantes. Qual é sua opinião?

Não acredito que um ser humano com uma configuração cerebral normal, mesmo que muito otimizada, possa ter idéias qualitativamente mais brilhantes que aquelas de Newton ou Gauss, acho só que seriam diferentes, não superiores. Quanto à produção eu concordo, pois aí existe um limitante físico/temporal óbvio. Mas fora a parte de trabalho duro, como é típico de certo campos do conhecimento, há outros em que idéias rápidas já bastam para criam algo simplesmente revolucionário, como uma composição musical ou um insight sobre a natureza física.

Acho que a hipótese funciona bem para QIs até 170 ou 180 (e funciona muito bem para QIs abaixo de 160). Uma pessoa com 176 acerta no Mega ou Titan tantas questões quanto 900 pessoas somadas com QI=100 ou 10 pessoas com QI=150, que é o esperado com base no meu método para normatizar testes. O "problema" é que acima de 170 a criatividade começa a produzir mais do que os testes podem medir, então não sei os limites de validade da idéia. Mas acho que o QI da humanidade deve ser menor que 450 e maior que 390. Eu diria que algo entre 390 e 410 seria razoável. Talvez eu devesse esperar pra fazer os cálculos amanhã às 19:00h, assim o QI da humanidade seria igual à relação entre um ano tropical e um dia solar. ;o)

Se você permitir, eu gostaria de colocar essa pergunta no Oráculo.


Claro, fique à vontade. Abs, Alex

Abração!
Melao

Grande Alex!

Tudo bem?


Acho que se fosse pra calcular o QI dos 99,9% menos brilhantes somados, ou mesmo dos 99,99% menos brilhantes, que estão vivos, seria cerca de 365. Se fosse de todos os vivos, seria 365,24219878125, para coincidir com o ano tropical de 1900, mas o cálculo está dando 365,21 (planilha anexa, com população mundial consultada em http://www.ibiblio.org/lunarbin/worldpop, às 10:51h de 4/11/2003). Se fosse de toda a história da humanidade, seria entre 390 e 396, dependendo da população considerada (estimativa mais modesta em 60bi, mais ousada em 100bi). Se fosse incluir os 0,01% mais brilhantes, teoricamente a diferença seria pequena e não passaria de 397, mas suspeito que uma afirmação dessas seria bastante duvidosa.

Minha primeira idéia seria a de que deveríamos fazer algo diferente: desprezar todos aqueles abaixo de um certo valor crítico, abaixo do qual não haveria possibilidade de grandes realizações, e acima disso estabelecer uma relação entre QI e nível de descoberta, tipo uma ponderação análoga à do seu método. ex.: uma humanidade com 1000 indivíduos com QIs entre 50 e 150 poderia ser resumida aos 10 que estariam acima de 137 (sendo esse o valor crítico para o início de realizações relevantes para tal humanidade), podendo-se desprezar os 990 abaixo deste valor. Aí fazer-se-ia uma redução do tipo, para cada QI achar o equivalente acima, até esse equivalente acima ficar em um único indivíduo.


Intuitivamente é mais ou menos como eu pensava (90% de toda a criação intelectual é devida aos 0,00001% mais criativos), porém deixei de pensar assim desde que li o artigo de Towers e fiz alguns testes com dados empíricos, e fiquei convencido de que provavelmente não é assim depois de mexer com dados empíricos do ST, do Mega e Titan. Repare que uma questão muito dura, que 50% das pessoas com QI 170 não acertam, pode ser resolvida por um grupo com umas 1000 pessoas de QI entre 99 e 101 (528 pessoas teriam 50% de chances de resolver). Isso você observa na prática, vendo a quantidade de pessoas que acertou as questões e os respectivos QIs dessas pessoas. A tese de que as pessoas de QI 100 nunca poderiam resolver um problema de nível 170 falha. Em outras palavras: reúna quantidade suficiente de pessoas com QI 100 e coloque-as para trabalhar com Matemática (remunerando-as por descobertas) e elas acabarão desenvolvendo o Cálculo.

Pensei tb em algo do tipo: existem sete áreas distintas de inteligência: matemática, espacial, verbal, musical, física/manual, interpessoal e intrapessoal.

Qual é sua opinião sobre essa hipótese das 7 inteligências? Parece que atualmente se fala em 8, mas acho a idéia muito improvável. Quero dizer, esses talentos (que o cara chama "inteligências") provavelmente não são independentes uns dos outros, eles se relacionam intimamente, mas de uma maneira até agora pouco compreendida.

Minha intuição faz buscar a correspondência "raridade de QIh= (1 em 100 bilhões)^7".
Isso daria um QI 398. Curiosamente nós chegamos a resultados bem próximos usando métodos completamente diferentes. :-) O Maple diz que para 1-(10^-77) temos 18,6254sd. E o mais curioso é que se o número de inteligências for 6 ou 8, isso não muda muito o resultado (apesar de mudar a raridade em 11 ordens de grandeza). Para 6 inteligências teríamos 17,2164sd (QI 375) e para 8 inteligências teríamos 19,9356sd (QI 419).

Quanto seria o QI relativo à essa raridade? É razoável tomar a humanidade apenas pelo melhor representante de cada área? (Eu acho que não, mas creio que um grupo com cerca de 10 melhores de cada área deve representar muito bem quase a totalidade da capacidade humana).
Pois é, eu acho que não. Se você pegar a quantidade de idéias que Newton não teve, mas poderia ter tido, verá que não é pouco. Veja o caso de Arquimedes: ele não desenvolveu o Cálculo, mas alguns historiadores acreditam que, a julgar pelo método que ele usou para calcular o volume de um cone, se ele tivesse à disposição um conjunto apropriado de símbolos, muito provavelmente teria inventado o Cálculo. Mas a invenção de símbolos apropriados me parece ser um trabalho de importância menor, porém imprescindível. Suponha outros trabalhos de importância menor combinados, e chegará ao ponto que uma pessoa com QI 100 (ou várias em sinergia) acabariam inventando o Cálculo simplesmente porque haveria tanta informação convergindo pra isso que não teriam como escapar, e a invenção quase aconteceria por si.

O que Newton, Gauss, Leibniz, Euler, Bernoulli, ... juntos não poderiam fazer que outro matemático menor poderia? Muito pouco, eu tenho essa impressão.

Pois é, intuitivamente, eu também tinha essa mesma impressão. Dê uma olhada na quantidade de pessoas com QI 100-120 que acertaram questões do Mega e Titan que 50% do pessoal com 160-170 não acertou.

====================

Acho que podemos dizer que algo em torno de 400 seria um QI satisfatoriamente correto. Mas não significa que uma pessoa com QI 400 faria tudo que a humanidade fez. A tal pessoa faria coisas que a humanidade nunca sonhou, mas deixaria de fazer muitas outras coisas que a humanidade fez. Produziria algumas idéias mais brilhantes que as de Newton e Gauss, mas talvez não tantos trabalhos quanto Euler ou Edison e seguramente não tantos quanto a humanidade inteira. Teria uma produção comparável à da humanidade inteira pesando quantidade e importância conjugados, e para compensar a menor quantidade deveria ter trabalhos muito mais importantes. Qual é sua opinião?

Não acredito que um ser humano com uma configuração cerebral normal, mesmo que muito otimizada, possa ter idéias qualitativamente mais brilhantes que aquelas de Newton ou Gauss,
Acho que muitas das idéias brilhantes podem ser dissecadas em partes mais básicas e acessíveis a qualquer pessoa. Não digo que isso acontece a todas as idéias brilhantes e talvez realmente muitas delas sejam inacessíveis à maioria das pessoas, mas digo que muitas (talvez a maioria) das grandes idéias consiste numa estrutura complexa formada por idéias menores, cada uma das quais pode ser bem compreendida ou mesmo ter origem numa mente não tão poderosa quanto a de Newton ou Einstein.


acho só que seriam diferentes, não superiores. Quanto à produção eu concordo, pois aí existe um limitante físico/temporal óbvio. Mas fora a parte de trabalho duro, como é típico de certo campos do conhecimento, há outros em que idéias rápidas já bastam para criam algo simplesmente revolucionário, como uma composição musical ou um insight sobre a natureza física.

Sim, nesses casos eu concordo com você. Há coisas que uma pessoa genial pode fazer, mas zilhões de pessoas com potencial normal, trabalhando juntas, não podem. Mas (isso é uma coisa que não pensei quando escrevi o e-mail anterior) também há coisas que zilhões de pessoas com potencial normal podem fazer, mas uma única pessoa genial não pode e não importa o quão genial ela seja, ela continuará não podendo. Assim, acho que uma coisa compensa a outra e na prática acabamos tendo algo do tipo: 8794 pessoas normais produzem tanto quanto 100 pessoas com QI 150 (as normas do Mega e Titan sugerem isso). Essa hipótese é especialmente eficaz no caso da nova norma do Sigma Teste, que usa questões com pesos ponderados.

======================

Acho que a hipótese funciona bem para QIs até 170 ou 180 (e funciona muito bem para QIs abaixo de 160). Uma pessoa com 176 acerta no Mega ou Titan tantas questões quanto 900 pessoas somadas com QI=100 ou 10 pessoas com QI=150, que é o esperado com base no meu método para normatizar testes. O "problema" é que acima de 170 a criatividade começa a produzir mais do que os testes podem medir, então não sei os limites de validade da idéia. Mas acho que o QI da humanidade deve ser menor que 450 e maior que 390. Eu diria que algo entre 390 e 410 seria razoável. Talvez eu devesse esperar pra fazer os cálculos amanhã às 19:00h, assim o QI da humanidade seria igual à relação entre um ano tropical e um dia solar. ;o)

Se você permitir, eu gostaria de colocar essa pergunta no Oráculo.

Claro, fique à vontade. Abs, Alex

Vou colocar na próxima atualização, incluindo seus novos comentários.

Abração!
Melao

 

 
.:: Sigma Society ::.
  Topo
Todos os direitos reservados