Oráculo


P
ergunta


------Mensagem original-----
De: Rodrigo Malizia [mailto:ilvangelo@yahoo.com.br]
Enviada em: domingo, 4 de agosto de 2002 16:34
Para: Hindemburg
Assunto: Artes Marciais

Ola Melao, tudo bem ?

(o primeiro parágrafo foi suprimido da mensagem original)

Queria te perguntar uma coisa: tenho opcao de fazer como atividade extracurricular da faculdade nos EUA uma arte marcial, sendo que as duas que eles oferecem sao karate e ninjitsu. O que voce recomenda ?

Abracos,
Rodrigo


R
esposta

 

Olá, Rodrigo!

Tudo bem?

Estou meio surpreso que hoje em dia Ninjutssu seja ensinado em universidades. Até pouco tempo atrás, não era ensinado nem sequer em academias! Faz 8 anos que eu não pratico e não estudo artes marciais, exceto num rápido período de uns dois meses, em 1999, que pratiquei Karatê Shotokan, Ballet Clássico e Jazz. Quando o seu xará Rodrigo de Almeida Rodrigues veio aqui, eu queria tirar um cigarro da boca dele com um shuriken, mas ele achou que seria perigoso. Depois ele ainda me ganhou na queda-de-braço. Estou desatualizado, enferrujado, velho, gordo, fraco e burro... Pelo menos a produção de testosterona continua boa. ;-)
A grafia de Ninjitsu pode variar muito, com ou sem hífen, com 1 ou 2 ‘ss’ e com ‘u’ em lugar ‘i’ (Nin-jutssu). É uma arte muito completa, mas você deve assistir aos treinamentos e escolher com base na habilidade dos professores, na didática, na sua finalidade: se quer para preparo físico, para defesa pessoal ou para competição.
Se você quiser defesa pessoal eficaz, o Ninjitsu é muito bom. Se quiser competição, tem que ser o Karatê. Se quiser exercício físico, então vai depender do seu gosto. O Ninjitsu moderno, pelo que sei, é bem diferente do tradicional. Durante o feudalismo japonês, o Ninjitsu incluía estudo de meteorologia (bem rústica, claro), hipnose, Química (especialmente explosivos e venenos) etc. Era uma arte de espionagem, inclusive a indumentária do ninja se chamava “Shinobi Shozugui” (Shinobi = espião, gui=roupa, ‘Shozu’ eu não sei o que é :-)) ou “Shinobi Shokuzo”. Atualmente o Ninjitsu focaliza principalmente o combate, atribuindo uma importância bem menor aos outros estudos. Talvez no Japão o Dai-Sensei Masaaki Hatsumi (se é que ele ainda está vivo...) ensine algo semelhante ao Ninjitsu tradicional. Na época que eu gostava muito de artes marciais, cerca de 1981-94, só se ensinava Ninjitsu (em academia) em 3 países do mundo: Japão, França e EUA, segundo a revista Kombat Sport. Depois que os filmes de ninja fizeram sucesso, muitos professores de Qwankidô (ou Viet-vo-dao) e Hapkidô começaram a ensinar Ninjitsu, mas somente a parte relativa a combate. Mestres de Wu-Shu também poderiam (tecnicamente) ensinar Ninjitsu, mas não sei de nenhum que faça isso. Artes marciais semelhantes entre si, como Judô, Ju-Jutssu, Go-Shin-Jutssu, Nomi, podem ser todas ensinadas por um mestre que domine apenas uma delas, basta que ele faça uma breve especialização de poucos anos, por isso os mestres de Qwankidô (vietnamita) e Hapkidô (coreano) podem ensinar Ninjitsu depois de apenas aprender pronúncias e alguns detalhes ao aplicar os golpes. No caso do Hapkidô, será necessário também complementar com algo equivalente ao Ju-Jutssu, porque as técnicas de projeção do Hapkidô, à semelhança do Aikidô, são executadas à distância, por meio de torções, sem tanto contato como no Ju-Jutssu, enquanto o Ninjitsu cobre tanto projeções à distância como corpo-colado. Também as técnicas de socos e chutes diferem um pouco. O Hapkidô, embora mais completo que o Taekwondô e o Tangsudô, envolve maior variedade de chutes altos, com poucos chutes baixos, enquanto o Ninjitsu inclui muitos chutes altos e baixos. Enfim, o Ninjitsu é uma das artes marciais mais completas e eficientes.
A história do Ninjitsu é bastante controversa. Os que defendem o Ninjitsu dizem que teve origem quando alguns samurai deliberadamente se afastaram dos feudos, porque se revoltaram com as injustiças cometidas pelos senhores feudais contra os camponeses, e aliaram-se aos camponeses, por isso muitas armas do Ninjitsu derivam de instrumentos agrícolas: Naginatá (alfange), Kama (foice), Nunchaku (era usado para malhar palha de arroz) etc. (eu não estou mantendo concordância, porque essas palavras _ samurai, ninja, kunoichi etc. _ não têm plural). Outras versões dizem que os ninja eram samurai expulsos de seus feudos, por terem violado o código de honra (Bushido), e à medida que foram se tornando mais numerosos, fundaram clãs, que foram crescendo e se dividindo em hierarquias. Existe um pouco de fanatismo, misticismo e militarismo no Ninjitsu tradicional, algo relacionado à obediência cega e fidelidade absoluta aos superiores. Eu não conheço o suficiente para tratar disso com detalhes. Com relação às origens, talvez as duas versões extremas sejam duvidosas. Deve haver um meio-termo que situe os ninja numa condição de ‘pessoa com defeitos e qualidades’, nem mocinhos super-do-bem, nem bandidos super-do-mal. Há também versões que dizem que o Ninjitsu veio do Tibet e deriva do Vajramushti, enriquecido com técnicas nipônicas. Outros dizem que veio da China e deriva do Wu-Shu. No caso do Xadrez, atualmente se admite que a origem é incerta, sendo o Egito, a Índia e a China os candidatos mais prováveis a ‘berço do Xadrez’. Suponho que no caso do Ninjitsu a dúvida seja semelhante, diferindo apenas nos hipotéticos locais de origem. Também é preciso tomar alguns cuidados para não misturar lendas à história. No caso do Xadrez, isso é bem claramente separado, mas nas artes marciais parece não haver uma interface definida entre mito e realidade.
Quanto ao Karatê, é bem mais conhecido. Deriva do Naha-tê e do Tode, ambos de Okinawa. Eu não tenho certeza, mas acho que o Karatê é esporte olímpico (o Judô é com certeza absoluta). Existem muitos estilos de Karatê, e embora as técnicas sejam muito semelhantes, as regras variam muito. O estilo mais eficiente (para combate real) é Shorinji-Kempô. Quase todos os outros estilos (Shotokan, Wado-Kai, Shito-Ryu, Goju-Ryu etc.) não permitem soco no rosto (à semelhança do Taekondô), projeções, chutes nas pernas, cotoveladas etc. e os golpes não podem ser concluídos com intensidade, devem apenas parar perto do alvo ou tocar de leve no alvo para marcar ponto. O estilo Kiyokushin-Kai-Kan-Oyama permite golpear com força e atingir o alvo com potência máxima, exceto soco no rosto, golpes nas articulações, cotoveladas (eu já não me recordo claramente de algumas regras. Talvez sejam permitidas cotovelas). No Kiyokushin-Kai-Kan-Oyama a vitória pode ser por pontos ou por nocaute. Nos outros estilos, se você nocautear seu adversário, é capaz de você perder por ter batido muito forte. :-)
Espero que você faça uma boa escolha. :-) Aqui entre nós, se eu estivesse em seu lugar, e se tivesse como opção Ballet ou Aeróbica, eu acho que uma dessas seria minha preferência. Não creio que haja muitas mulheres no Karatê ou no Ninjitsu. Acho que Aeróbica é a melhor opção, porque as do Ballet costumam ser muito magras.

Um abraço.
Piu

 
.:: Sigma Society ::.
  Topo
Todos os direitos reservados