Oráculo


P
ergunta

---------Mensagem original-----
De: Pedro Bessa [mailto:pedbessa@uol.com.br]
Enviada em: segunda-feira, 15 de julho de 2002 18:27
Para: Hindemburg
Assunto: Re: saca só
Por que a aparência das mulheres importa na seleção de parceiras?

Eu quero uma resposta do ponto de vista biológico.



R
esposta


Olá.

Tudo bem?

Devido ao processo de seleção natural, desde que surgiram os primeiros hominídeos, as fêmeas mais férteis que acasalaram com os machos mais férteis produziram maior número de descendentes, e esses descendentes herdaram essa fertilidade bem como outras características, e retransmitiram esses traços à geração seguinte. Os casais menos férteis produziram menos descentes. Com o passar do tempo, devido à luta pelos recursos, estes tenderam à extinção enquanto aqueles tenderam à proliferação, porque os recursos são demasiados escassos para atender às necessidades de subsistência de todos os organismos, então os menos adaptados perecem para que os melhor adaptados sobrevivam.

As fêmeas férteis desprovidas de traços fenotípicos que as identifique como sendo mais férteis, têm menos chances de acasalar com machos férteis do que as fêmeas férteis que possuem traços marcantes que evidenciam sua fertilidade superior. Por isso, com o passar das gerações, os machos com predisposição para se sentirem atraídos por fêmeas com características férteis mais pertinentes no sentido de combinar o traço identificador com algum aspecto útil para maximizar as chances de proliferação, terão mais chances de acasalar com fêmeas capazes de gerar mais descendentes, e todos esses traços “favoráveis” serão transmitidos às gerações seguintes. Esses machos e essas fêmeas com traços favoráveis se tornarão mais numerosos com o passar do tempo. Não me refiro apenas aos traços físicos (seios fartos, quadris largos e cintura fina), mas também os traços de personalidade que relacionados às tendências de preferir seios fartos, quadris largos e cintura fina. Pois os machos que acasalarem com mulheres com menos chances de serem mais férteis terão menos chances de gerar descendentes que perpetuem suas preferências, em contrapartida, os machos que apreciarem seios fartos, quadris largos e cintura fina terão maiores chances de gerar mais descendentes que preservem essas mesmas preferências. Depois de alguns milhares ou milhões de anos, praticamente todas as fêmeas serão identificáveis por traços que sugerem maior ou menor fertilidade. Geralmente as assimetrias e deformidades indicam doenças, portanto menores chances de elevada fertilidade, e também a obesidade não é uma característica promissora para machos nem para fêmeas. Quadris largos em relação à cintura numa proporção de 5 para 3 (ou mais precisamente [(1+raizde5)/2]=razão áurea) e igual proporção entre busto e cintura acabam se tornando traços que indicam maiores chances de fertilidade superior não apenas por uma questão de serem marcas aleatórias que emergiram com o tempo, mas também por favorecerem uma compleição que assegura melhores chances de que a mãe seja eficiente na produção de alimento para amamentar a prole, no caso dos seios maiores, e uma anatomia dos quadris mais adequada para acasalar com machos robustos, ou seja, machos com maiores chances de serem mais férteis e de gerar descendente mais saudáveis. Além disso, quadris mais largos contrabalançam melhor seios volumosos. Os seios não poderiam ser demasiado grandes, porque em animais que andam com a coluna ereta o peso causaria problemas de saúde. E se os seios fossem grandes mas os quadris fossem pequenos, quando a mulher se inclinasse para a frente ela teria dificuldades para se levantar. Portanto as glândulas mamárias precisam ser grandes o bastante para alimentar a prole com fartura, porém não podem ser grandes demais ao ponto de comprometer a saúde. Nos casos dos machos, o tórax largo, os braços e pernas robustas indicam vigor físico que determina mais chances de sucesso na caça, portanto sugere mais alimento para os descendentes, maximizando suas chances de sobrevivência e disseminação dos genes que transmitem essas mesmas características. Traços assimétricos muito acentuados ou deformidades no rosto também podem ser indício de doença, e tantos os machos quanto as fêmeas que sejam apaixonados por assimetria terão menores chances de gerar descendentes do que os machos e fêmeas que são apaixonados por simetria e outros traços efetivamente relacionados à saúde e fertilidade.

Por isso os homens e as mulheres vão buscar simetria e traços de saúde e fertilidade em seus parceiros. Esse é o procedimento instintivo, e modernamente pode ser enganado com lipoaspiração, silicone, fisiculturismo, plásticas corretivas ou rejuvenescedoras etc. Os efeitos dessa interferência no processo natural de evolução devem ser notados nos próximos milênios. Além dessas “tendências instintivas”, novas “tendências conscientes” têm surgido. Por exemplo: o “instinto” sugere às mulheres que acasalem com o homem mais robusto e com rosto sem deformidades, mas a “razão” sugere que elas acasalem com os homens melhor sucedidos economicamente, porque no mundo atual a habilidade para caçar já não representa o principal indício de abundância de alimento, então serão os homens abastados que oferecerão melhores chances de sobrevivência à prole. Assim, em média as mulheres vão copular com seus amantes robustos usando preservativos, e atender a seus instintos, e vão gerar filhos com seus esposos abastados, atendendo à razão.

Tudo muito interessante e esclarecedor, mas é uma teoria embrutecida pela ausência de moral e romantismo, é superficial, fria e provavelmente incompleta. A partir do momento que o ser humano se tornou um animal moral, o processo de Evolução já não pode ser abordado sem levar em conta esse fator. Com certeza a esmagadora maioria das mulheres prefere um homem muito rico ou muito robusto a um homem muito ético, e a maioria dos homens prefere uma mulher muito bonita a uma mulher muito virtuosa. Mas uma sociedade formada por homens ricos e sem ética, homens corruptos e indiferentes à Justiça/injustiça é uma sociedade fadada ao colapso. Enquanto uma sociedade constituída por pessoas esclarecidas, justas e íntegras terá melhores perspectivas de se manter estável a longo prazo. Portanto, as comunidades injustas tendem à auto-destruição, enquanto às justas _ se não forem destruídas pelas injustas (que talvez representem a maioria) _, tendem ao crescimento. Portanto, a longo prazo, mesmo que agora talvez existam mais pessoas injustas do que justas, com o passar do tempo as injustas vão se auto-destruir, diminuindo progressivamente a proporção de injustas em comparação às justas. E desde que as injustas não exterminem as justas, estas vão povoar o planeta. Existem dois caminhos que a humanidade pode seguir: ou seremos melhores (no sentido ético), ou nos auto-destruiremos. Isso bom, porque não existe o perigo de a humanidade prosperar sendo nociva, então a vida pode surgir em outras partes e ter chances de sucesso (também sujeita à destruição, caso siga um caminho ruim).

Eu sou um desses selvagens estúpidos que sente mais atração por mulheres bonitas do que por mulheres virtuosas, mas procuro contornar essa falha em meu instinto seletivo, elegendo parceiras que reúnam os dois quesitos. :-)

Um abraço!
Piu

 
.:: Sigma Society ::.
  Topo
Todos os direitos reservados