Xadrez às Cegas
Um contra muitos... e sem ver!
             Duas fotos da simultânea às cegas a 10 tabuleiros, realizada no salão de festas do Centro do Professorado Paulista, em 27 de setembro de 1998. À esquerda em primeiro plano, o simultanista Hindemburg Melão Jr.. À esquerda ao fundo e à direita, os 10 participantes.
             Tomaram parte nesse evento representantes do Clube de Xadrez Epistolar Brasileiro (CXEB), do Grêmio de Xadrez Belém, do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), da Universidade de São Paulo (USP) e do Centro Cultural São Paulo. 
             O evento teve duração de 7:40h e terminou empatado, com o escore 5 x 5. O rating médio dos simultaneados foi 2022,5. O jogador do tabuleiro 1 tinha na ocasião 2165 de rating FPX. Clique aqui para ver essa partida comentada com animação java e duas outras partidas selecionadas. 
Índice 
  
Glossário   
Coordenadores  
Projeto 2002 - Recorde Brasileiro / Projeto 2003-2004 - Recorde Mundial update 20.03.02  
O que é Xadrez às cegas?  
O que diz a Ciência sobre o jogo às cegas?  
O que dizem os grandes intelectuais sobre o jogo às cegas?  
Recorde mundial de mate anunciado - 1997  
Simultânea às cegas do CPP - 1998  
Resumo Histórico sobre o jogo às cegas update 20.03.02  
Celebridades que se interessam por Xadrez update 19.03.02  
Quem é quem? - atual recordista: Hélder Câmara - aspirante ao recorde: Hindemburg Melão Jr.  
Partidas comentadas de simultâneas às cegas realizadas no CPP e CCSP  
Partidas comentadas de simultâneas às cegas de Najdorf, Morphy, Blackburne, Huebner, Kasparov, Movsesian, Shirov, Kortschnoj e Karpov 
 
Recorde Brasileiro de Simultâneas às Cegas
 
  
           Em 2002 realizaremos um circuito de simultâneas às cegas que culminará com a quebra do recorde nacional nessa modalidade. Ao longo do ano, serão disputadas 4 etapas oficiais (com 4, 6, 8 e 10 tabuleiros) e várias etapas intermediárias (de treinamento).  
           A etapa final será com 16 tabuleiros e terá o status de recorde brasileiro. Além de ser o recorde brasileiro, será uma das 10 maiores simultâneas às cegas realizadas no mundo nos últimos 50 anos e uma das 30 maiores de todos os tempos. 

           As etapas preliminares serão realizadas em universidades, shopping centers, clubes, colégios, centros culturais, parques etc. 

           A etapa final será no salão para convenções de um dos maiores hotéis do Brasil e serão convidados embaixadores, atores, compositores, cantores, escritores, estadistas, legisladores, administradores, atletas e outras personalidades que se interessam por Xadrez, sendo que dos 16 tabuleiros, 8 vagas serão destinadas às celebridades convidadas, 4 vagas serão abertas a qualquer pessoa que tenha interesse em se inscrever (haverá uma taxa) e 4 vagas ficarão a critério do patrocinador, que pode preenchê-las por indicação, por sorteio ou distribuí-las como melhor lhe aprouver. 

           Para 2003-2004 temos um projeto mais ambicioso, cuja etapa principal será uma tentativa de quebrar o recorde mundial. 

voltar ao índice
 

  
            O que é ‘Xadrez às cegas’? 

           No ‘Moderno Dicionário de Xadrez’, do Dr. Byrne J. Horton _ Ph.D. em Filosofia e consagrado enxadrista norte-americano, podemos encontrar a seguinte definição: 

  

“Xadrez Mental ou Xadrez às Cegas – é a arte de jogar Xadrez sem utilizar tabuleiro ou peças. A partida é conduzida sem qualquer espécie de auxílio que possa manter presente a posição das peças. Para garantia da exatidão e referência, registram-se os lances. Este modo de jogar requer uma memória infalível da posição exata de cada peça durante toda a partida, requer excepcionais poderes de concentração e vívida imaginação das alterações que se processam no decorrer do jogo.”
 

  

Obs.: a descrição do Dr. Horton é para uma partida individual às cegas. No caso de uma simultânea às cegas, não se joga uma única partida; são muitas partidas de uma só vez, por isso é necessário memorizar e administrar corretamente uma quantidade muito maior de informações. Além disso, os lances ‘NÃO SÃO REGISTRADOS’ em papel ou similar, conforme Dr. Horton sugere. Em vez disso, os lances ficam registrados unicamente na memória. Trata-se, portanto, de uma performance muito difícil, e essa dificuldade se nota tanto pela descrição como pela raridade de eventos como esse. 
 
voltar ao índice 
 
  
  
            O que diz a Ciência sobre o jogo às cegas?
 
 
           O psicólogo francês Alfred Binet tornou-se mundialmente famoso por ter criado os testes de inteligência que posteriormente deram origem aos testes de QI. Em fevereiro de 1891, depois de assistir a uma exibição de simultâneas às cegas, realizada em Paris _ mais precisamente no Café de La Régénce _, Binet ficou tão impressionado que decidiu realizar um estudo minucioso a esse respeito. Depois de cerca de dois anos e meio de trabalho, em junho de 1893, Binet publicou um artigo em que resumia suas impressões sobre o jogo às cegas. Ao longo desses 28 meses, Binet entrevistou dezenas de grandes jogadores, como o aspirante ao título mundial Siegbert Tarrasch e o ex-recordista mundial de simultâneas às cegas Joseph Henry Blackburne. Muitos desses enxadristas chegaram a prestar extensos depoimentos no laboratório de Sorbone, em que descreveram pormenorizadamente o processo de visualização, de memorização, de cálculo etc. Isso permitiu a Binet reunir um vasto material sobre o assunto, a partir do qual pode compreender muitos aspectos sobre a mente do jogador às cegas em particular e a mente humana de modo geral. 

           Entre outras coisas, Binet constatou que praticamente todo jogador de primeira categoria consegue jogar uma ou mais partidas às cegas (a exceção mais curiosa parece ser o caso do ex-campeão mundial Dr. Max Euwe, que se dizia incapaz de jogar uma partida às cegas). 

           Verificou-se também que a força de jogo não é necessariamente proporcional à capacidade de jogar um grande número de partidas às cegas. Por outro lado, em se tratando da força de jogo tático e combinativo, a correlação parece ser muito boa: quanto maior o número de partidas às cegas que um jogador é capaz de conduzir simultaneamente, tanto maior é sua força no jogo de combinação. 

           Binet, Taine e outros pesquisadores do assunto, chegaram à conclusão de que para jogar às cegas _ sobretudo para jogar um número elevado de simultâneas às cegas _, era imprescindível possuir uma excelente memória, muita imaginação, um profundo conhecimento de Xadrez, boa concentração e uma prodigiosa capacidade de abstração. Além disso, o vigor físico e diversas outras faculdades mentais são de grande importância. Sobre o vigor físico, se faz notar sua necessidade principalmente nas simultâneas às cegas de grandes proporções _ contra 6 ou mais oponentes _, em que o simultanista permanece 5, 6 ou até 20 horas seguidas numa posição quase fixa, muitas vezes com a musculatura tensa. 

           Em seu artigo, Binet expressa muito bem que durante uma simultânea às cegas não basta memorizar todos os lances de todas as partidas, o que não exigiria muito mais do que memorizar um número com 800 ou 1000 algarismos. Para jogar uma simultânea às cegas é necessário memorizar cada um dos diagramas que se sucedem no decorrer das partidas, pois a avaliação e o cálculo não são possíveis tomando-se por base unicamente a notação dos lances; é preciso “enxergar” os diagramas, com o tabuleiro e todas as peças (não necessariamente num quadriculado, mas é preciso saber todos os pormenores sobre como as peças estão interagindo). Isso corresponderia a memorizar um número com 10.000 ou 15.000 algarismos. É importante ter em mente que essa estimativa está considerando apenas os lances efetivamente executados, sem levar em conta as variantes e sub-variantes que afloram e desaparecem na mente do simultanista durante as partidas, muitas das quais permanecem na memória até algumas semanas depois de concluída a exibição, mas não aparecem concretamente e por isso quase  poderiam deixar de serem computadas nesse cálculo. Sob esse ponto de vista, pode-se dizer que jogar uma simultânea às cegas contra 8 ou 10 oponentes equivale a memorizar um número com cerca de 1.000.000 ou 2.000.000 algarismos.  

           Mas essa não é uma comparação fiel, já que os números aleatórios são mais difíceis de serem retidos na memória do que os lances e diagramas de Xadrez. Uma analogia mais próxima seria o equivalente a aprender idiomas. Uma simultânea às cegas como a de Najdorf, jogada em 1947, foi equivalente a aprender três idiomas inteiros e fluentes em um só dia! Isso proporciona uma idéia mais próxima do real grau de dificuldade, pois aprender idiomas, do mesmo modo que jogar às cegas, é mais fácil que memorizar números aleatórios. Convém esclarecer que jogar às cegas e aprender idiomas envolvem habilidades distintas, portanto se uma pessoa aprende um idioma em um dia, não significa que será capaz de jogar 15 simultâneas às cegas, do mesmo modo que uma pessoa que joga 15 simultâneas às cegas não será necessariamente capaz de aprender um idioma em um dia.
           Aprender três idiomas num dia ou jogar 45 simultâneas às cegas é mais fácil que memorizar 12.000.000 de algarismos aleatórios, mesmo assim, é indiscutível que essas três realizações constituem proezas extraordinárias e situam-se no limiar da capacidade humana. Prova disso é que já se considera extraordinário jogar uma partida às cegas, aprender um idioma fluente em um mês ou memorizar um número de 1.000 algarismos aleatórios, e apenas três pessoas na história da humanidade (Miguel Najdorf, George Koltanowski e Janos Flesh) foram capazes de jogar 45 ou mais simultâneas às cegas, somente uma pessoa teve a capacidade de aprender um idioma em um dia (William James Sidis) e somente uma pessoa foi capaz de memorizar mais de 40.000 algarismos aleatórios (Hiroyuki Goto). 
 voltar ao índice
 

 
            O que dizem os grandes intelectuais sobre o jogo às cegas? 
 

           Na Europa do século XVIII, período em que se começava a fomentar as idéias que culminariam com a Revolução Francesa, viveu um dos maiores gênios de todos os tempos: François André Danican Philidor. Philidor nasceu em 7 de setembro de 1726, em Dreux, na França. Foi um menino prodígio que se destacou na Música e no Xadrez. Quando adulto, tornou-se um dos maiores compositores da França e o maior jogador de Xadrez do século XVIII. Na música foi elogiado por Mozart e outras autoridades de grande envergadura. No Xadrez era ele próprio a maior autoridade do mundo. 

           Philidor foi a primeira pessoa a jogar uma simultânea de Xadrez às cegas perante um público consideravelmente numeroso, sob condições controladas e cujos resultados foram devidamente registrados. 

            Sua primeira apresentação aconteceu em 1746, no Old Slaughter’s Coffee, em Londres. Desde então, até o fim de sua vida, fez exibições por toda a Europa, mantendo o pleno vigor de suas faculdades mentais até os 69 anos de idade. Entre os que assistiam às suas simultâneas ‘sans voir’, havia renomadas personalidades das ciências e das artes, inclusive grandes celebridades históricas, como Voltaire, Robespierre, Rousseau, Diderot, D’Alembert, Conde Brühl e vários outros membros da nobreza, vários estadistas, cientistas e artistas (possivelmente Franklin e Napoleão, que eram freqüentadores do Café de La Régénce, também assistiram e participaram de simultâneas às cegas com Philidor). 

           As proezas de Philidor causaram tão grande impressão aos eruditos europeus, que chegaram ser incluídas na famosa Encyclopédie de Diderot e D’Alembert, no verbete relativo ao Xadrez, onde o jogo às cegas foi considerado “Uma das mais fenomenais manifestações da mente humana.” 

           Philidor também foi citado em jornais de toda a Europa. O periódico inglês World (de 28 de maio de 1783), depois de relatar uma de suas apresentações às cegas, finalizou com os seguintes dizeres: “O ato de Philidor deverá manter-se para sempre nos compêndios históricos, como um dos melhores exemplos de até que ponto pode chegar a mente humana.” 

           Um cronista que presenciou uma das simultâneas de Philidor, não conteve sua admiração e declarou que assistira a algo que bem podia ser qualificado como “um milagre”. E prosseguiu afirmando que tal proeza situava-se no limiar da capacidade humana, e que seria “impossível” a um ser humano jogar muito mais que 2 simultâneas às cegas. 


   

Nota: é importante esclarecer que passados cerca de 100 anos desde a primeira apresentação de Philidor, o mestre Ludwig-Louis Paulsen encarregou-se de refutar o gentil comentário desse jornalista, tornando-se assim o primeiro simultanista às cegas de grandes proporções. A partir de 1854, em diversas cidades dos EUA, Paulsen enfrentou entre 4 e 15 oponentes. Tendo em conta o espanto causado por Philidor, por ter jogado às cegas contra 2 oponentes, parece-nos justo admitir que a realização de Paulsen é algo verdadeiramente fenomenal, mesmo para os padrões atuais, porque depois das mortes de Janos Flesch (1983), Miguel Najdorf (1997) e Jens Enedvolsen (1980), possivelmente há apenas três pessoas vivas que já jogaram mais de 15 simultâneas às cegas. São o mestre dinamarquês Jacob Oest Hasen, que em 1985 jogou às cegas contra 25 tabuleiros, e os mestres canadenses Hans Rudolf Jung e Leo Williams, que jogaram respectivamente contra 26 e 27 tabuleiros em 1993 e 1986. Portanto o evento a ser realizado no final desse ano não será apenas um recorde brasileiro, mas também o maior evento dessa natureza realizado no mundo nos últimos 9 anos. 
 
voltar ao índice
 

  

     Quem é o atual recordista?
  
 O recorde nacional vigente foi estabelecido em 1965, pelo Mestre Internacional Hélder Câmara, que jogou às cegas contra 12 tabuleiros, no Jacarepaguá Tênis Clube. Hélder Câmara é bi-campeão brasileiro, esteve representando o Brasil em várias Olimpíadas de Xadrez e em vários torneios internacionais, é criador da “Defesa Câmara”, também conhecida como “Defesa Brasileira”, e há vários anos escreve para o jornal Diário Popular (agora “Diário de São Paulo"). 
     Quem é o aspirante ao recorde?
  
 O atual aspirante é Hindemburg Melão Jr., detentor de dois recordes mundiais, um dos quais está registrado no Guinness Book desde 1997. Fundador de Unicorn High IQ Society e Sigma Society, membro honorário de High IQ Society for Humanity, Pars Society e ISIS, sócio vitalício em International High IQ Society. Autor de mais de 350 trabalhos de análise publicados em mais de 120 países, atualmente classificado para representar o Brasil na semi-final do campeonato mundial da ICCF. Autor de uma das 10 novidades teóricas mais importantes do mundo, eleita pelo júri de 10 GMs do Sahovski Informator (inclusive o ex-campeão mundial Viswanathan Anand). 
 
 
 
Nota: No livro "Essências da estratégia superior", de Paulo Leal e Antônio Rocha,  há referência a uma simultânea às cegas a 15 tabuleiros. Antônio Rocha é reconhecidamente um dos maiores simultanistas às cegas do Brasil e do mundo, mas infelizmente não dispomos de nenhuma documentação que registre esse acontecimento. Se alguém puder nos oferecer algum documento, será um prazer publicá-lo nessa seção. 
 
voltar ao índice
 
 
             Duas fotos da simultânea às cegas a 9 tabuleiros, realizada no Clube de Xadrez São Paulo, em 2 de março de 1997. À direita, em primeiro plano, o simultanista Hindemburg Melão Jr.. À direita ao fundo, um dos participantes, à esquerda, todos os 9 participantes.
             Nesse evento foi estabelecido o novo recorde mundial de mate anunciado mais longo em simultâneas às cegas e essas duas fotos foram publicadas no Guinness Book of Records, edição 1998, páginas 110-111.  
 
 
Local: Clube de Xadrez São Paulo  
Data: 2 de março de 1997  
Início: 17:00h  
Duração: cerca de 5:00h  
Simultanista: Hindemburg Melão Jr.  
Coordenadores: Alex Takayama (dirigente) e Samuel Alves Galdino  
Orador: Georges Vittorato  
Apoio: Grêmio de Xadrez Belém  
 
  • As nove partidas foram jogadas numa única sessão, sem intervalos para descanso; 
  • Durante a apresentação, o simultanista não teve acesso a um tabuleiro nem a qualquer outro objeto que pudesse facilitar a visualização; 
  • Não foi permitido ao simultanista tomar nota sobre qualquer coisa (referente às partidas ou não). 
  •  
            Os co-recordistas anteriores eram Joseph Henry Blackburne (mate em 8 lances numa simultânea às cegas contra 10 oponentes, jogada em 1877) e Samuel Rosenthal (mate em 8 numa simultânea às cegas contra 4 oponentes, jogada em 1885).
            Em 1899, Harry Nelson Pillsbury também anunciou mate em 8 numa simultânea às cegas contra 10 oponentes, todavia, houve um erro de contagem, de modo que, seguindo a seqüência ditada por Pillsbury, o mate se produzia em 7 lances. 
            Em 1985, o campeão mundial Garry Kasparov jogou uma simultânea às cegas contra os 8 melhores computadores da época, inclusive o campeão mundial Mephisto Amsterdam 68000 RISC 12MHz. O rating médio dessas máquinas estava na faixa de 1500 e os melhores chegavam a 1800. O melhor do mundo em 1985 era o Mephisto Amsterdam 68000 RISC 12 MHz, cujo rating foi inicialmente calculado em 2066 (baseado em poucas partidas) e posteriormente foi corrigido para 1827 (com base em 1020 partidas SSDF). Mais detalhes em http://w1.859.telia.com/~u85924109/ssdf/rlwww022.txt e http://home.interact.se/~w100107/historik.htm#1985. 
            Kasparov venceu 6 e empatou 2. Na partida contra Mephisto Amsterdam, ele jogou uma bela combinação com seqüência de mate em 8 lances, mas não há registro sobre ele ter ou não anunciado o mate. De qualquer modo, o importante é que se ele sacrificou uma Torre e duas peças, está claro que calculou corretamente a seqüência inteira, de outro modo não teria iniciado a combinação. 
            Dia 2 de março de 1997, no Clube de Xadrez São Paulo, foi realizada uma apresentação de simultâneas às cegas a 9 tabuleiros. Há 32 anos que não se realizava no Brasil uma simultâneas às cegas contra uma oposição tão numerosa. 
            Durante a apresentação, na partida com Isaias Paiva Mathias, tabuleiro número 4, foi anunciado mate em 12 lances. Posteriormente, verificou-se que esse foi o mate anunciado mais longo já registrado numa simultânea às cegas, tratando-se, portanto, de um recorde mundial. Entre abril e setembro de 1997, foram estabelecidos contatos com a Sra. Ana Regina de S. Grigolon, responsável pela edição brasileira do Guinness Book of Records. Depois de cumprir todas as formalidades necessárias, esse recorde foi oficialmente reconhecido e registrado na edição de 1998 do Guinness, nas páginas 110-111. 
      
            Curiosidades: 
            Em 1947, Miguel Najdorf anunciou mate em 6 lances, numa simultânea às cegas a 45 tabuleiros. Considerando a longitude do mate e o número de tabuleiros, isso certamente constitui um recorde. 
            Numa simultânea convencional (vendo os tabuleiros), o campeão mundial Alexander Alekhine anunciou mate em 10 lances. Trata-se possivelmente do recorde mundial nessa modalidade. 
            Numa partida individual às cegas, o recorde de mate anunciado mais longo pertence a Blackburne: mate anunciado em 16 lances. 
            No jogo de Damas, o recordista mundial é Ton Sijbrands, que em 1993 jogou 18 simultâneas às cegas.
     
     
     
    Tabuleiro 1
    Emiliano Vianna
    ½-½
    Tabuleiro 2
    Paulo Issao Hashimoto
    0-1
    Tabuleiro 3
    Masaaki Yamamoto
    1-0
    Tabuleiro 4
    Isaias Paiva Mathias
    1-0
    Tabuleiro 5
    Giovanni Vidler
    1-0
    Tabuleiro 6
    José Celso Franco de Feitas
    1-0
    Tabuleiro 7
    Luís Roberto Franco de Feitas
    1-0
    Tabuleiro 8
    Suely Lúcia de Araújo
    1-0
    Tabuleiro 9
    Derik G. Galante
    1-0
     
    Resultado final: 7,5 x 1,5 a favor do simultanista
     voltar ao índice

      


    Coordenadores Internacionais: 
  • Petri Widsten <petri.widsten@hut.fi> Finlândia - finês, castelhano, português, inglês, francês, alemão, italiano, sueco 
  • Carlos Paula Simões <cpsimoes@netc.pt> Portugal - português, inglês, castelhano, francês 
  •     
    Colaboradores Nacionais: 
  • José Antonio Francisco
  • Herbert Kimura

  •  
    Parceria: GMH - Empreendimentos 
  • Gilberto Milos Jr. <gilberto@milos.com.br>
  • Davy Maurice D'Israel <d.israel@ip2.com.br>

  •    
             Agradecimentos especiais a Eliot Sanford Hearst, por incluir uma matéria sobre nosso evento em seu extraordinário livro que trata de Psicologia e jogo às cegas. Eliot é professor de Psicologia na Universidade de Indiana – EUA, e também é Mestre de Xadrez, com muitos excelentes resultados nas décadas de 1950-1970, época em que se defrontou com as maiores estrelas dos Estados Unidos, e obteve impressionantes vitórias sobre jogadores da envergadura de Fischer, Kashdan, R. Byrne, D. Byren, Benko, Evans, Lombardy e outros gigantes. No livro “Todas as partidas de Bobby Fischer”, pode-se encontrar uma vitória de Eliot sobre Fischer, em jogo disputado poucos meses antes de Fischer sagrar-se campeão nacional. 
             Há mais de 20 anos Eliot está reunindo material para seu livro, que será o mais completo sobre esse assunto, abordando o tema sob os pontos de vista enxadrístico, histórico e gnosiológico. 
     
    APOIO: 
     
    Colaboração especial: Super Ajedrez Hispano Americano - Maximiliano Alvarez  
    http://superajedrez.europortales.com/ 
      
    De entidades nacionais
     
    Federação Catarinense de Xadrez - MI-ICCF Gilson Luís Chrestani 
    http://www.fcx.org.br/ 
    Federação Paranaense de Xadrez - AI Claudio Antônio Tonegutti 
    http://www.fexpar.esp.br/ 
    Revista Eletrônica Caissa Café - Adalberto Joco 
    http://www.caissacafe.com/  
    Xadrez Educa - José Carlos TEOdorovicz 
    http://www.xadrezeduca.com.br/ 
    Xeque-Mate Home Page - Antenor Pelegrino Filho 
    http://www.xmhp.hpg.ig.com.br/ 
         
    De entidades internacionais
     
    Super Ajedrez Hispano Americano - Maximiliano Alvarez
    http://superajedrez.europortales.com/ 
    Hechiceros del Tablero - Juan Carlos Ruiz 
    http://www.hechiceros.net/ 
    Ajedrez de Estilo - GM-ICCF Juan Sebastián Morgado 
    http://www.ajedrez-de-estilo.com.ar/ 
     
    voltar ao índice
     
     
     
    Glossário: 
      
    Simultanista – pessoa que joga contra vários adversários ao mesmo tempo. 

    Simultaneado – cada um dos adversários do simultanista. 

    Orador – pessoa que profere o discurso de abertura e também pode ser a mesma pessoa que lê as regras antes do início da simultânea. 

    Declamador – pessoa que executa os lances anunciados pelo simultanista e anuncia ao simultanista os lances executados pelos simultaneados. O termo mais usual em português não é “declamador”, mas sim “dirigente”. Também se usa “orador”, mas para distinguir da pessoa que recita o discurso inaugural, preferimos tomar emprestado do castelhano o termo que normalmente se aplica à pessoa que desempenha essa função, que, aliá, acreditamos ser o mais preciso para esse caso (em inglês é comum a expressão “speaker”, que também corresponde a orador). 

      
    Nota: como são poucos os termos técnicos que exigem um glossário, preferimos ordená-los de maneira lógica, em vez de os ordenar alfabeticamente. Ex.: para saber o que é "simultaneado", antes convém saber o que é "simultanista". 

    voltar ao índice
     
     
    sigma@ sigmasociety.com
    Voltar à página principal